sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

8. Ciência Antártica é feita de acordo com...


Não há qualquer dúvida que um dos factores principais que deveremos ter em conta quando se faz uma expedicão cientifica à Antártica é o tempo. Sim, as condições atmosféricas! Pode-se planear tudo ao pormenor, ao minuto até, equacionar os imprevistos em que só depende de nós para que as coisas corram bem...e depois há que ter em conta com o tempo!!!

No nosso projecto PENGUIN, que envolve estudar pinguins na Antártica, as condições com que podemos trabalhar com eles são importantes. Para trabalhar com eles, idealmente é necessário um dia bom de tempo. Caso estejamos longe da colónia, e seja necessário as aceder por mar por pequenos barcos (chamados zodiacs; procurar no google caso não saibam;)) ou por terra com skiis ou simplesmente a pé, não é possivel o fazer caso haja uma grande ondulação/boa visibilidade/muitos icebergues na água/ventos fortes/forte queda de neve, tudo que ponha em causa a nossa segurança. E claro, há que pensar nos animais que estamos a estudar. Chover não é nada bom pois agarrar nos pinguins é muito desconfortável para eles....


Por isso, reunimo-nos todos os dias a ver as previsões do tempo para os dias seguintes, analisar quais os melhores dias para ir às colónias...e caso haja bom tempo para o dia seguinte, será mesmo?

As condições de tempo em Livingston Island, tal como em muitas partes da Antártica e arredores (tal como nas Ilhas Falkland/Malvinas), mudam literalmente de hora a hora. Para ilustrar isto mesmo, foi a nossa primeira ida a Hannah Point. Previsão de boas condições para o dia. Excelente, pensámos... de manhã as condições pareciam ideais com mar calmo, boa visibilidade. Na nossa viagem, que demora cerca de 1 hora, apanhámos uma chuva torrencial, muita nublosidade, nevoeiro, ondulação e só quando possemos pé em Hannah Point, parece que o céu deu-nos tréguas. Parou de chover e as temperaturas aumentaram...já no regresso gelo/icebergues pequenos na água apareceu e quantidades apreciáveis (devido a estarmos perto de glaciares que regularmente libertam-nos) e o vento era muito forte!


Sair à rua na Antárctica, é mesmo necessário trazer roupa para as 4 estações do ano...caso não sejam pinguins claro;)



José Xavier


2 comentários:

Inês Rute disse...

Boa noite, antes de mais queria dizer lhe que tem feito um excelente trabalho com a pulbicação dos seus livros entre outras coisas, e é de admirar a capacidade de estar tanto tempo fora do seu país por uma paixão, se posso dizer assim, e hoje tive o previlégio de ver uma entrevista sua, no programa "À conversa" no canal RTP memória, e claro que fiquei fascinada com o entusiasmo que falava sobre aquilo que realmente gosta de fazer e com o pequeno video que passou no ar. Eu passei este ano para o 12ºano e o meu sonho é puder tornar-me um bióloga Marinha, tão ou mais apaixonada pela vida do mar, e pelas preocupações que esta nos causam,e realizar expedições como esta. e o meu principal objetivo com este comentário, é de facto, pedir se me pode aconselhar e informar, sobre saídas professionais, e em que universidade será a mais qualificada para eu entrar, visto que a do Algarve me parece a melhor opção, mas claro que uma melhor opinião e sem dúvida com melhor experiência para me poder informar sobre coisas que poderão mudar o meu futuro. e também gostaria de saber que provas e que qualificações são necessárias para realizar expedições como essas ou parecidas.

Obrigada, Inês Rute Alves

jose xavier disse...

Obrigado InÊs!!! Espero que tudo esteja a correr bem! Força Jose