sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Senhora de respeito (Respect for the lady Albatross)

Latitude: -52.85
Longitude:-40.09














Estou de boca aberta!!!! Ontem tivemos a visita de um albatroz muito especial quando estavamos perto da Geórgia do Sul mas não era um albatroz qualquer (ver mensagem de ontem). Era nada mais nada menos que a fêmea albatroz viajeiro WP54 (é o código a que lhe chamamos e acordo com a anilha que tem na sua perna esquerda). Como conseguimos ver essa informação, através de uma fotografia, tinhamos de saber de onde vinha. Será que era da ilha onde eu já tinha estado? E o que sabemos dela? As fotografias já correram mundo!!!!













Após umas horas à conversa com Dirk Briggs, e alguns emails, recebemos a confirmação de Andy Wood, da British Antarctic Survey. "Esta fêmea é uma verdadeira senhora!", disse ele. Ela foi anilhada em Bird Island (a pequena ilha junto à Geórgia do Sul, onde a British Antarctic Survey tem uma Base cientifica há mais de 40 anos) quando ela apareceu em 1982, quando já era adulta (logo já devia ter 4-7 anos). Ou seja, este albatroz fêmea tem mais de 26 anos!!!! Naquele ano de 1982 acasalou com o albatroz com quem teve mais 7 filhotes até 1997, 1 filhote por cada 2 anos como costuma ser habitual para esta espécie.





















Depois de 1997, o seu par desapareceu e ela acasalou com outro albatroz em 1999, com quem teve mais 4 filhotes. Talvez não supreendente, ela está este ano novamente em Bird Island, e já tem um ovo de 525 g, informação dada por Fabrice de Bouard, um dos cientistas que está lá agora. Resumindo, esta senhora tem 17 netos e 3 bisnetos na Ilha, ou seja, uma autêntica senhora de familia.
Os albatrozes geralmente acasalam para toda a vida. Divórcios são raros. Carinhos e mais carinhos...
Os albatrozes viajeiros são dos albatrozes mais ameaçados do mundo, e estão a entrar em vias de extinção. Isto deve-se a eles(as) seguirem os barcos de pesca da pesca do anzol e ficarem apanhados nos anzóis. Só na Ilha onde estive, estes albatrozes têm estado a decrescer mais de 1% desde dos anos 70. Daí haver um esforço ao nivel internacional na iniciativa "Save the albatross" (http://www.savethealbatross.net/), apoiada por organizações de competência. Vale a pena nos informarmos sobre o assunto.
















Sabendo isto tudo, estivemos perante uma autêntica senhora albatroz.
(I am speechless! As soon as we managed to get the code information about the wandering albatross that stayed with us all morning yesterday, we were very curious to get more information about it: where did it came from? It is young? Could it be breeding at Bird Island, South Georgia where I studied? Dirk Briggs contacted Andy Wood from the British Antarctic Survey, who told us that we were with a true Mrs Albatross. In his own words: " Your wandering albatross (WALB 5109000/WP54) is a female of unkown age. She was first recorded breeding at Bird Island, South Georgia in 1982 paired with a male (5109005/WP59) on the ridge. This pair successfully raised 7 chicks up to 1997 after which she paired with another male (5184987/WB15 (5109005/WP59 was last seen in 1999 - died of a broken heart ... or perhaps on a longline!). 5184987/WB15 was first seen in 1999 when breeding with 5109000/WP54 and they have gone on to successfully rear 4 chicks. Perhaps not surprisingly, 5109000/WP54 is back at Bird Island this season breeding with 5184987/WB15 (with a 525g egg), again on the ridge.5109000/WP54 has 17 grand-chicks, and 3 great grand-chicks on the island, so quite a successful old bird! Andy. "
As wandering albatrosses is a threatenned species, due to their accidental mortality by fishing hooks from longline fisheries, coming across with such a extraordinary animal was quite a privilige. Much work has been done to help albatrosses, with the initiative "Save the Albatross" (http://www.savethealbatross.net/), supported by international organizations. Worthwhile have a look at their website. After all this, we were truely honored to have been with such company)

4 comentários:

Anónimo disse...

Mas ela é linda, de "corpo" e de "cara"! Como é q se pode saber quantas crias e quantos "maridos"é q ela teve? Votos q tudo continue a correr bem. Helena (Lisboa)

Jose Xavier disse...

Boa noite Helena!

(aqui são 11.32 da noite, 2.32 da manhã em Lisboa)

Que boa questão! Nós sabemos toda esta informação porque temos um programa de monotorização na estação cientifica em Bird Island, desde os anos 60. Nesta ilha, todos os albatrozes viajeiros que se reproduzem têm uma anilha. Como costumam vir sempre à mesma ilha se reproduzir, nós temos autênticas linhagens de familias de albatrozes dos últimos 40 anos.

Fantástico, não é?

No nosso caso desta senhora albatroz, temos um excelente exemplo!

Beijinhos da Antárctica e bom fim de semana

José

Isabel Magalhães disse...

Olá José! :)

Suponho que é emocionante encontrar uma albatroz 'conhecida'. Deve ser assim como encontrar um amigo quando menos se espera. :)

Tenho estado a acompanhar com muito interesse e vou aprendendo umas coisas.

Continuação de boa viagem e bom trabalho.

bj
I.

Post scriptum - Juntei mais um pedacinho de informação no 'Topics from 192 countries'.

Fatima disse...

José Xavier boa noite (bom dia)!
Excelentes imagens estas! Ate fazem com que fiquemos roídinhos de inveja, por não termos ao alcence da nossa vista tanta beleza!
Continuação de bom trabalho para toda a equipa!